Aprovado projeto de lei que garante proteção à gestante e parturiente contra a violência obstétrica

por Igor_Cruz — publicado 31/08/2017 10h34, última modificação 31/08/2017 10h34
Projeto prevê que a Sesau deva realizar campanhas educativas para esclarecer as mulheres...


Projeto de Lei 606/2017, de autoria do deputado Lazinho da Fetagro (PT), que assegura a implantação de medidas de informação e proteção à gestante e parturiente contra a violência obstétrica, foi aprovado pela Assembleia Legislativa, na quarta-feira (30). A proposta segue agora para sanção do governador Confúcio Moura (PMDB).

De acordo com a proposta de lei, atos que ofendam, de forma verbal ou física, as mulheres gestantes e parturientes, antes, durante ou, após o parto, são considerados violência obstétrica.

Frases agressivas, recriminar a parturiente por qualquer comportamento como gritos, choro, medo, vergonha ou até mesmo dúvidas, discriminação, agressão física, psicológica, humilhação, procedimentos médicos coercivos ou não consentidos, falta de confidencialidade, graves violações da privacidade, recusa de internamento nas instituições de saúde, cuidado negligente durante o parto, entre outros atos, classificam-se violência.

O deputado Lazinho ressalta que a proposta de lei “apresenta medidas que visam trazer luz às mulheres que dão à luz, pois muitas mulheres, sequer sabem que estão sendo vítimas de violência obstétrica. E, também, traz a certeza a essas mulheres de que quando entrarem em trabalho de parto, elas têm o direito de serem atendidas de forma digna e responsável”.

Quanto à fiscalização do disposto na proposta de Lei, o projeto estabelece que esta deverá ser realizada pelos órgãos públicos nos respectivos âmbitos de atribuições, sendo os responsáveis pela aplicação das sanções decorrentes de infrações às normas nela contidas.

Determina ainda que o Poder Executivo, por meio de sua Secretaria de Estado da Saúde, deverá elaborar a Cartilha dos Direitos da Gestante e da Parturiente, propiciando a todas as mulheres as informações e esclarecimentos necessários para um atendimento hospitalar digno e humanizado, visando à erradicação da violência obstétrica.

O deputado Lazinho também pede na lei que os estabelecimentos hospitalares deverão expor cartazes informativos contendo as condutas consideradas violência verbal ou física, dentre outras.

“Toda grávida tem direito a um atendimento respeitoso e humanizado. Tem direito a ser recebida por profissionais e serviços de saúde capacitados e que respeitem a gestação, o parto, a amamentação, e a mulher”, defende o deputado.

 

ALE/RO - DECOM – Assessoria

Foto: Ana Célia

registrado em: