Comissão de Educação destaca possíveis prejuízos aos trabalhadores

por Igor_Cruz — publicado 15/03/2017 10h39, última modificação 15/03/2017 10h39
Parlamentares citaram greve nacional e reforma da previdência...


O presidente da Comissão de Educação e Cultura (CEC), Anderson do Singeperon (PV), destacou na reunião desta quarta-feira (15) possíveis prejuízos que a classe trabalhadora venha a ter caso sejam aprovadas as reformas na Previdência Social, propostas pelo governo federal.

Participaram da reunião os deputados Adelino Follador (DEM) e Ribamar Araújo (PR).

Follador destacou a questão da greve nacional deflagrada nesta quarta-feira, provocando prejuízos e possíveis conflitos. Pediu diálogo entre as categorias e governos para que se encontrem denominadores comuns para que ninguém saia prejudicado, especialmente professores e alunos que podem ficar sem aulas.

Anderson afirmou que a greve realmente é prejudicial, mas em alguns momentos necessárias. Informou que este será um dia nacional de paralisação e com a discussão de várias pautas e que a principal delas é a reforma da previdência, causando graves problemas especialmente ao produtor rural e as mulheres.

A reforma tem que haver, destacou Anderson, mas “o governo deve cobrar das empresas, recursos jurídicos para exigir dos que devem para que o trabalhador não seja prejudicado na hora de sua aposentadoria”.

Follador complementou que as mulheres e os agricultores podem ser muito prejudicados e que esta alteração pode acabar com a carreira de professores tendo em vista que ninguém aguenta 30 anos dentro de sala de aula. “Mas ainda creio no diálogo e o Congresso deverá readequar as propostas apresentadas”.

 

ALE/RO - DECOM - [Geovani Berno]

Foto: Ana Célia