Follador defende fim do simulador e do exame toxicológico no Detran

por Igor_Cruz — publicado 23/03/2016 12h12, última modificação 23/03/2016 12h12
Para deputado, além de não surtir efeito, medidas encarecem custo da Carteira de Motorista...

 

O deputado Adelino Follador (DEM) disse na terça-feira (22), na Assembleia Legislativa, que está apoiando a reivindicação das autoescolas e que vai lutar para a suspensão definitiva da obrigatoriedade do uso de simulador de direção veicular por esses estabelecimentos, como exigência para a habilitação. Recentemente o deputado encampou a luta pela flexibilização do processo de regulamentação das motocicletas conhecidas como cinquentinhas.

Segundo o deputado, a decisão do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) de utilizar o simulador, além de inócua, eleva consideravelmente o custo de uma habilitação, o que já é motivo de muitas decisões judiciais pelo País, como nos Estados de São Paulo e Goiás, onde esta exigência já foi suspensa.

O parlamentar lembrou que em Rondônia já há uma liminar suspendendo a Resolução nº 543/15 do Denatran, até dia 31 de março, mas o que está em jogo é a sua suspensão definitiva até que se encontre uma saída capaz de atender as autoescolas e o cidadão que precisa se habilitar.

Follador explicou que a maioria das autoescolas não tem condições de adquirir o equipamento simulador, que tem um custo de cerca de R$ 45 mil. Outro aspecto que o deputado destacou é o aumento do custo que o habilitando terá que arcar para tirar sua carteira de motorista, que, com a adoção dessas novas medidas, ficará bem mais cara, já que o custo do simulador será repassado para a habilitação.


Exame toxicológico

Adelino Follador criticou, ainda, a exigência legal de realização do exame toxicológico para todo interessado em tirar a habilitação nas categorias C, D e E. Ele refutou a medida e a considerou inócua, tendo em vista que, por força da Lei Federal nº 1372/15, o interessado deve ser submetido ao exame toxicológico três meses antes do exame fundamental de direção, o que na sua visão não tem o condão de atestar se o condutor é ou não usuário de alguma droga.

O deputado justificou observando que o interessado pode perfeitamente se submeter a uma abstinência no período de três meses até fazer o exame, e de depois de aprovado, voltar a ser o mesmo usuário de drogas, o que representa o perigo para todos no trânsito, nas cidades e nas rodovias. “Por isso não vejo necessidade do gasto com a realização desses exames nesses termos”, disse.

 

ALE/RO - DECOM - [Assessoria Parlamentar]

Foto: Ana Célia

registrado em: