'Virar as costas à Educação é decretar o enterro da gestão Confúcio Moura', diz Hermínio Coelho

por Igor_Cruz — publicado 26/03/2018 15h05, última modificação 26/03/2018 15h05
Deputado parabenizou professores e demais profissionais da área da educação pela grande mobilização...

 

O deputado Hermínio Coelho (PDT), parabenizou a mobilização desencadeada tanto por professores quanto pelos demais servidores da Educação que estão lutando, através de enorme movimento paredista contra os desmandos, omissão e negligência do Governo de Rondônia na figura do governador Confúcio Moura (MDB).

“É inadmissível que um governador de Estado se recuse a pelo menos sentar com a categoria e olhar nos olhos dessas pessoas. É covardia se esconder atrás dessa enganação chamada Mesa Estadual de Negociação Permanente (MENP)”, disse o deputado.

Entre outros itens exigidos pela entidade que representa os educadores, os trabalhadores em educação querem que o governo cumpra a Lei nº 11.738/2008 (lei do piso salarial do Magistério), a Lei nº 3.565/2015, que instituiu o Plano Estadual de Educação, e crie um piso salarial para os técnicos educacionais no valor de 60% do salário dos professores.

Hoje os técnicos ganham pouco mais de um salário mínimo por conta das perdas salariais acumuladas.

Os professores querem adequar o vencimento dos docentes ao piso nacional, que é de R$ 2.455, e solicitam ainda aumento salarial aos professores ‘classe C’, que têm especialização, em comparação aos ‘classe A’, que têm apenas o magistério.

“E é repugnante perceber que o governador Confúcio faz questão de exigir a criação de mais cargos comissionados caríssimos na Caerd, claro, ou mesmo de aumentar os rendimentos de seus próprios secretários enquanto o professor é desvalorizado, humilhado, ignorado e maltratado”, salientou.

O pedetista fez questão de exaltar e concordar com os protestos dos professores no interior de Rondônia e na própria Capital, incluindo manifestações espontâneas de estudantes e um velório simbólico da gestão emedebista.

“Os professores que carregaram o caixão com o nome de Confúcio têm razão: é o enterro de uma administração má, que só olha para os seus. Um governo que desrespeita o professor, a mais nobre das profissões, está fadado à morte. Virar as costas à Educação decretou o enterro da gestão. Continuo contando os dias para a renúncia do governador para que uma pessoa decente tenha condições de assumir e arrumar todo esse estrago”, concluiu.


ALE/RO - DECOM - Assessoria
Foto: Ronaldo Afonso

registrado em:
Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples.